11 julho 2005

"Se seu olhar me pergunta quem sou, eu lhe questiono: será que ainda sou ? E então essa tristeza que nasce não é de ninguém? É... de ninguém. Eu: quem é? Ninguém, só ninguém. A ninguém interessa se o céu está claro, se as nuvens se brincam no céu, se o vento começou a soprar. A ninguém interessa estar lá. Eu: ninguém.

Na verdade sou brisa leve, que acalma ou procvoca arrepio. É... eu: doçura de uma brisa, frieza de morte, arrepio de vida. Eu: ninguém.

05/10/01"
É... um texto bem antigo, se eu fechar os olhos me sinto no exato momento em que o escrevi. Tempos maus na escola, não foi uma boa época para mim, mas daí pra frente começou a melhorar (graças a Deus!).
Abraços a todos!!!!

1 Comentários

  1. Blogger Bill Postado em 11/7/05 21:06  
    Ta feito :P

    Gostei do texto... ainda bem que agora só epocas boas =]

    te amo

    ;****

Postar um comentário

« Home