23 novembro 2005

Voltei!


Galera, embora pareça, eu não abandonei esse blog não, viu? É que esse fim de ano tem trazido tanta coisa diferente, que tem exigido tanto de mim que tá realmente muito difícil escrever... Hoje, por exemplo, eu comecei a fazer uma oficina com um grupo musical maravilhoso, Uakti. É um grupo de Belo Horizonte, que trabalha com uma sonoridade diferente e inusitada, com instrumentos de fabricação própria. Quem quiser saber mais sobre o grupo, clique aqui.
Fora os preparativos para o fim de ano. Ser professora de música nessas horas não é muito inteligente, todos te cobram eventos, apresentações, ensaios extras, essas coisas. Pra falar a verdade estou bem cansada, e não curto muito escrever por escrever, sabe? Tem que ter um "porquê", inspiração pra ser mais exata. E acho que ela resolveu dar uma voltinha...

E pra coroar, os filhotinhos da Lola estão maiorzinhos um pouco, e ela tá querendo esconder eles pra não fugirem... Mas tá escolhendo uns lugares meio perigosos, e me dando um trabaaaaalho...Meu amor que o diga!

Então acho que é isso! Gostaria de agradecer todos os comentários, o carinho e a atenção dos amigos e dizer que estando minha cabeça mais fresca, tem continuação pintando por aqui!

Ah, e um abraço e um agradecimento muito especial ao amigo Darlan do Paliavana. Sempre gostei muito do blog dele, sempre recheado de textos, poemas maravilhosos. E recentemente tive a honra de me ver nessa galeria! =] Lá vocês vão encontrar trechos dos meus dois contos... Além de muita coisa boa! Passa lá pra conferir!

E por hoje é só! Um bom dia, uma boa semana a todos!

Tanto gato junto nunca ia dar certo! =P

14 novembro 2005

À Toa!

Quantas pessoas não gostariam de estar no meu lugar... Hoje eu não trabalhei (\o/), pois a escola de Camanducaia emendou o feriado já que dia 12 de outubro nós trabalhamos.
Só volto na quarta feira! Daí tudo volta ao normal: reunião de módulo, aula no Vinícius Meyer...
Me desculpem a encheção de lingüiça, mas estou meio sem assunto para postar, e me incomoda ver esse blog parado, entregue às moscas...
Até tenho algumas coisas a dizer, sobre momentos que tive na minha vida, mas acho que preciso de um tempo pra refletir sobre isso tudo.
Fico por aqui. Um bom feriado à todos!!

...Ninguém tem asas como eu tenho!...



Versos de Orgulho

O mundo quer-me mal porque ninguém
Tem asas como eu tenho! Porque Deus
Me fez nascer Princesa entre plebeus
Numa torre de orgulho e de desdém.

Porque o meu Reino fica para além...
Porque trago no olhar os vastos céus
E os oiros e clarões são todos meus!
Porque eu sou Eu e porque Eu sou Alguém!

O mundo? O que é o mundo, ó meu Amor?
- O jardim dos meus versos todo em flor...
A seara dos teus beijos, pão bendito...

Meus êxtases, meus sonhos, meus cansaços...
- São os teus braços dentro dos meus braços,
Via Láctea fechando o Infinito.


Florbela Espanca

P.S.: Tomei essa poesia pra mim há um bom tempo, numa época em que tudo parecia ir contra mim e minha felicidade, em que pensava eu não ter o direito de ser feliz. Era minha defesa, meu consolo. Saí de toda essa depressão por duas coisas, a ARTE e DEUS, foi quando o Salus Dei entrou na minha vida que passei a ensolarar meu coração. Saudades de tudo...

08 novembro 2005

Pastoril


Enfim fizemos a apresentação do Pastoril! Foi muito bom, lindo!

Só que imagino que embora apenas o PiresF tenha manifestado curiosidade, nem todos devem saber o que é exatamente um Pastoril!

Na verdade eu também não sabia, fui conhecer esse ano na Semana do Folclore do CEMPA (Conservatório de Música de Pouso Alegre), aonde sou professora e aluna também. Primeiro nós apenas aprendemos as músicas, depois fizemos tipo um ensaio aberto aonde a folclorista palestrante (cujo nome eu não lembro agora mas assim que descobrir eu conto pra vocês!) foi explicando o que era um pastoril e como era encenado.

Vou explicar resumidamente, e ao final dessa postagem coloco uns links pra vocês saberem mais, OK?

O Pastoril é uma encenação folclórica, que está entre as quatro grandes manifestações populares do Nordeste. Trata-se de uma representação profana da Natividade (Natal, nascimento de Jesus), aonde jovens vestidos como pastorzinhos e pastorinhas cantam músicas em louvor a Nosso Senhor. São divididos em dois cordões, o azul e o encarnado, o que acaba gerando uma disputa de cores entre os partidos de cada cordão. Encontramos também no Pastoril personagens alheios à real história do Natal, para enriquecer a encenação e divertir o povo. São eles a Diana, que representa as duas cores, o Pastor, o Anjo, Luzbel (que é na verdade o Demônio), a Borboleta, a Camponesa e a Cigana.

Aqui eu aproveito e explico o porquê de eu ter pedido moedinhas. Os Pastoris eram encenados nas ruas, praças, e quando a cigana entrava pra cantar e dançar é costume jogar moedinhas para ela. Bem, eu representei a Cigana, e teve gente que tava até querendo brincar de "Tiro ao Alvo" com as moedinhas na pobre Cigana, mas no fim não levei nenhuma moeda na testa!

Não sei se tiraram fotos, mas se eu conseguir eu coloco aqui pra vocês me verem de Cigana.

Antes de encerrar e colocar os links das fontes com material interessante sobre o assunto, gostaria de dizer que o nosso Pastoril foi baseado em um material próprio para trabalhar com crianças, as próprias cantando as músicas, muito lindo! Vou me informar o nome da editora e tal e digo a vocês! Fizemos em um palco tradicional italiano, e tivemos a participação do Grupo Le Bizarre na instrumentação. Foi muito lindo!

Abraços a todos!!

Pastoril no Recife (Valdemar Valente) - Site Jangada Brasil (Esse texto é enooorme, mas muito interessante, vale a pena ler!)

O Ciclo Natalino (Rúbia Lóssio) - Site da Universidade Federal Rural de Pernambuco

Pra disfarçar...


Bem... Meio sem idéia e sem vontade de escrever. Não sou uma escritora que engana público, as minhas idéias não funcionam sempre!! (=P)

Só tô postando porque já faz dois dias do aniversário da Freu e uma homenagem de Aniversário uma semana depois do aniversário fica meio ridícula, né? Então tô aproveitando que tô com um tempinho pra dar uma passadinha por aqui!!

Essa semana não tem aula no CEMPA, tá rolando a Semana da Arte e Música "Prof.º Lobinho". Vários eventos, espetáculos, oficinas...

E eu vou participar!! Hoje vou cantar em um Pastoril, e o Grupo Le Bizarre vai tocar! Vai ser no auditório do CEMPA às 18 horas, a entrada é franca e todos estão convidados! E quem for leve moedinhas, vocês vão ver o porquê!! =P

Confira a programação completa da Semana na Agenda do Fórum Le Bizarre!

Fico por aqui com uma poesia que amo, não conhecia ela inteira, mas só o trecho que eu conhecia valia a pena.

GUARDAR

Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.
Em um cofre não se guarda coisa alguma.
Em cofre perde-se a coisa à vista.

Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por
admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.

Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por
ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,
isto é, estar por ela ou ser por ela.

Por isso melhor se guarda o vôo de um pássaro
Do que um pássaro sem vôos.

Por isso se escreve, por isso se diz, por isso se publica,
por isso se declara e declama um poema:
Para guardá-lo:
Para que ele, por sua vez, guarde o que guarda:
Guarde o que quer que guarda um poema:
Por isso o lance do poema:
Por guardar-se o que se quer guardar.


Antônio Cícero

06 novembro 2005

ANIVERSÁRIO!! =]


Hoje é neversário da...

COISA ESTRANHA!!!!!!!!! =D


Parabéns, Freu!!! =]


Feliz...PARABÉNS, FLAVINHA!!!!!!!!!!Aniversário!! =]


Minha irmã querida, 23 aninhos, quem diria heim?? Nem parece, com essa carinha e esse jeito de menina que você tem!
Te adoro muito, viu?? Te desejo tudo de bom, e muita coragem pra correr atrás de seus sonhos, pois você tem brilho pra ser uma linda estrela!!!!

Te deixo uma poesia, não pelo sentido das palavras que é meio triste, mas sim pelo grande poeta que eu sei que você adora!!

ANIVERSÁRIO

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa como uma religião qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,

De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.


Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino,
O que fui - ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui...
A que distância!...
(Nem o acho...)
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!


O que eu sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes...
O que eu sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas lágrimas),
O que eu sou hoje é terem vendido a casa,
É terem morrido todos,
É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio...


No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...
Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!
Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,
Por uma viagem metafísica e carnal,
Com uma dualidade de eu para mim...
Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!


Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui...


A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos,
O aparador com muitas coisas - doces, frutas, o resto na sombra debaixo do alçado,
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...


Pára, meu coração!
Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!
Hoje já não faço anos.
Duro.
Somam-se-me dias.
Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira!...

O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!...


Álvaro de Campos


Ah, já ia me esquecendo, hoje é aniversário também do meu único primo homem!! Não somos tão íntimos assim, mas ele é uma pessoa muito especial, gosto muito dele!

Bruno Moka, PARABÉNS!!!!!

05 novembro 2005

Irmandade do Eterno


Labirinto


Ao entrar, Lúthien se deparou com um pátio belo, simples que inspirava a paz. Podia ver muitas outras garotas, umas da mesma idade que ela, bem jovens, outras um pouco mais moças, com um jeito que mostrava ao mesmo tempo sabedoria, força e superioridade. Não sabia dizer se aquilo a encantava ou a assustava - estaria ela com aquele mesmo ar daqui a alguns anos??

Era uma estranha sensação, sua cabeça era salpicada de dúvidas, presentimentos e desejos, pensar no futuro lhe causava arrepios, ela gostava, mas de repente se deu conta de que o importante não era o que seria escrito lá na frente no livro da sua vida. Importante era cada momento que ela poderia viver ali dentro.

Enquanto pensava em tudo isso, ia caminhando pelo pátio, sem perceber que entrava em um labirinto que era um jardim muito belo. Foi quando ouviu um sino batendo. Tudo indicava que aquele era a chamada para que as garotas se reunissem frente ao prédio. Só que ela estava tão distraída que não se lembrava qual era o caminho que ela tinha feito para chegar até lá. E entrou em desepero.

...

Ia tentando encontrar caminhos, mas quanto mais ela procurava a saída, mais se perdia. Se coração se encheu de agonia, pensou nas graves conseqüências que sua distração não causariam.

-Será possível que temos uma novata perdida por aqui logo no início?

Tudo o que ela encontrou na direção da voz foi a silhueta de uma jovem em cima do muro, cujo rosto não identificou por causa da claridade do sol.


Continua...

04 novembro 2005

Sem idéia...


TOTALMENTE SEM IDÉIA PRA ESCREVER!!!!

Sem contar que nunca tenho um momento de paz, com bastante tempo. Entro na internet nas brechinhas que se abrem, nem tem clima... Acho que esse fim de semana sai alguma coisa, se não sair desisto de blogar.

Abraços a todos!!!


Eu!!!